Blockchain é uma tecnologia que já está revolucionando o mercado financeiro, e a base da moeda virtual bitcoin.

Em síntese, o blockchain é uma estrutura de dados que mantém um ledger digital de transações entre uma rede distribuída de entidades. Em outras palavras, é uma rede distribuída que usa da criptografia para permitir que cada participante adicione à transação um valor de modo seguro, sem a necessidade de uma autoridade central ou coordenação.

Para melhor exemplificar, considere que uma planilha é duplicada centenas de vezes através de uma rede de computadores e esta rede é inteligente o suficiente para automaticamente realizar updates da planilha a qualquer momento em que alguém efetuar uma mudança no arquivo. Isso seria um blockchain.

Portanto, as informações guardadas em um blockchain existem como um banco de dados compartilhado e continuamente atualizado. O banco de dados do blockchain não é armazenado em um único local, o que significa que os arquivos são mantidos públicos, com fácil acesso e compartilhabilidade.

Além disso, o blockchain também apresenta outras vantagens como:

  • Permite que todas as partes envolvidas na transação tenham acesso comum aos mesmos dados. Isso facilita o compartilhamento e a aquisição de dados, assim como a qualidade, administração e análises destes.
  • Oferece um registro detalhado de todas as transações e participações mantida em um único “arquivo” ou blockchain. Oferece uma visão completa da transação, do início ao final do processo. Não é necessário integrar partes dos dados de múltiplos sistemas, visando criar um panorama do histórico de participação e transação.
  • Habilita a administração e o controle dos seus próprios dados pessoais sem a necessidade de uma terceira parte intermediária ou repositório centralizado.

Dessa forma, o blockchain democratiza o compartilhamento e a monetização de dados e análises removendo a intermediação e facilitando as transações. Os benefícios ainda podem ser maximizados com o uso de outras tecnologias e aplicativos, como no caso de sensores em produtos, para a pesquisa e monitoramento de dados de consumo do usuário. Assim, o cliente poderia controlar quais dados gostaria de fornecer através do blockchain, até mesmo negociando com os distribuidores e os fabricantes prováveis descontos em troca das informações de consumo pessoal.

Essa junção de tecnologias também permitiria para o setor industrial uma melhor análise de alternativas e o descobrimento de possíveis problemas em seus produtos por meio dos dados colhidos no procedimento. Dentre estes dados estariam informações como:

  • A frequência de uso do produto pelo consumidor;
  • Dias da Semana e Horários de utilização;
  • Quantidade de uso por vez;
  • Expectativa de tempo para uma nova compra ou pedido;
  • Variações de uso.

Consequentemente, o acesso detalhado ao uso do produto e aos dados de consumo auxiliariam na exploração do potencial obtido pelos volumes de dados, aperfeiçoando os negócios, reduzindo riscos, adequando o produto, criando novas oportunidades de monetização e garantindo uma melhor experiência ao consumidor. Cabe à empresa escolher se quer se adaptar às modificações e inovações do mercado, ou se prefere ficar para trás nas negociações.