VNA hospitais

Nos últimos anos, o setor de saúde passou por uma grande transformação em relação à tecnologia da informação.

Uma pesquisa da IDC, projeta que este segmento produzirá 2.314 exabytes de dados até 2020, um aumento significativo em relação aos 153 exabytes registrados em 2013.

Esse crescimento de dados ocorre durante um período de grande transformação em torno da entrega de serviços de saúde e da forma como os provedores são remunerados. No ambiente de negócios vinculado à eficiência clínica e aos resultados do paciente, a fragmentação de dados de saúde é problemática. Os profissionais de saúde precisam ter acesso a mais fontes de dados e análises para gerar insights e determinar o tratamento mais eficaz para seus pacientes.

O desafio desta indústria em evolução é que as infraestruturas de TI da saúde de hoje não foram arquitetadas e implantadas de forma a agilizar o compartilhamento de dados, mesmo dentro de uma única instituição.

Até recentemente, as organizações de saúde implantaram ferramentas de diagnóstico para atender às necessidades dos departamentos individuais. Esses projetos isolados incluíram infraestrutura de armazenamento localizada, levando à criação de silos de dados isolados a cada implantação adicional. Esta abordagem posteriormente complicou a tarefa de compilar um panorama completo da saúde de um paciente a partir de fontes de informação diferentes.

O aumento contínuo das fusões e aquisições hospitalares acrescenta maior complexidade, à medida que os sistemas informáticos de saúde são submetidos a consolidação. A pressão para gerenciar melhor os custos e melhorar significativamente a experiência do paciente levou os provedores a consolidação, mas nem sempre foi fácil para a fusão de organizações sintetizar seus dados junto com suas operações administrativas.

A infraestrutura de TI tradicional – e, em particular, as arquiteturas de armazenamento que suportam as modalidades existentes – representam um bloqueio significativo para os fornecedores que buscam um fluxo de informação (e de atuação) mais integrados.

Os fluxos de trabalho, as infraestruturas e as arquiteturas de armazenamento legados não são projetados para suportar uma visão de 360 graus do paciente, nem podem lidar com o crescimento acelerado de dados de imagens médicas que acabarão alimentando a aprendizagem mecânica e modelos de inteligência artificial voltados para o suporte à decisão clínica.

Felizmente, uma solução para integração de fluxo de trabalho em dados médicos dos pacientes existe através da tecnologia denominada “Vendor Neutral Archive” (VNA). Trata-se de uma infraestrutura de armazenamento que não requer um redesenho sempre que uma organização adiciona novas fontes de dados ou faz ajustes de fluxo de trabalho.

A migração desses arquivos para novos sistemas de armazenamento durante uma atualização de arquitetura, por exemplo, pode ser um projeto complicado. A maioria das organizações realiza esse tipo de processo de atualização periódica a cada três a cinco anos para evitar falhas de hardware e atualizar recursos de infraestrutura. À medida que as organizações geram e armazenam mais dados de imagens médicas, o projeto pode se tornar cada vez mais complexo e dispendioso.

Um VNA pode evitar lacunas de dados ao gerenciar e integrar automaticamente todas as atualizações de arquivos, reduzindo drasticamente os encargos e os custos desse processo crítico.