Muitas organizações já descobriram que um ambiente com várias nuvens fornece a solução mais eficiente e econômica para suas necessidades atuais e futuras. Simplificando, a nuvem múltipla é a combinação de ambientes de nuvem privada e serviços de nuvem pública.

Uma recente pesquisa do IDC CloudView mostra que quase 80% das grandes organizações com 1.000 ou mais funcionários já possuem uma estratégia de várias nuvens. O mesmo estudo também revelou que 51% dessas mesmas organizações estão usando atualmente a infraestrutura de nuvem pública e de nuvem privada, com mais 29% das organizações esperando fazer isso no próximo ano.

Uma abordagem com várias nuvens oferece inúmeros benefícios, permitindo que os departamentos de TI tenham recursos mais rápidos, flexíveis e potencialmente mais acessíveis para seus clientes finais. Em empresas de todos os tamanhos e setores, o rápido desenvolvimento de novas aplicações e suas atualizações constantes se tornaram o diferencial mais importante para o sucesso dos negócios.

Na maioria dos casos, um ambiente com várias nuvens fornecido pela TI corporativa permite às equipes de desenvolvimento de aplicativos, maior flexibilidade e um tempo de comercialização mais rápido. Como as empresas investem em nuvens públicas, bem como em suas próprias nuvens privadas, é essencial determinar quais cargas de trabalho são apropriadas para cada ambiente. Isso pode ser uma tarefa complexa por si só. Não menos complexo é o esforço de gerenciar esses múltiplos ambientes e suas cargas de trabalho associadas, uma vez que essas determinações tenham sido feitas.

Um dos maiores desafios são empresas que lutam para decidir quais fluxos de trabalho são mais adequados para o ambiente de nuvem. Felizmente, existem alguns atalhos para liberar todo o potencial de um ambiente com várias nuvens antes de começar a mover as cargas de trabalho essenciais.

Entre os primeiros passos está a descoberta de aplicativos. É essencial conhecer seu portfólio geral e ter uma compreensão profunda dos aplicativos inter-relacionados, tanto do ponto de vista de dados quanto de hardware. O banco de dados de gerenciamento de configuração (CMDB) é um bom lugar para começar, embora raramente esteja atualizado.

É necessário um olhar mais crítico para cada aplicativo. De um modo geral, aplicativos como e-mail e ambientes de teste e desenvolvimento são adequados para a nuvem pública. Cargas de trabalho de produção completas, como ERPs por exemplo, geralmente ainda são o domínio de nuvens privadas.

A partir daí, é uma questão de otimizar aplicativos para a nuvem certa. Precisa de baixa latência e capacidade de resposta? Privado pode ser a melhor opção. Outros usos, como análise, podem ser mais adequados à nuvem pública.

Uma coisa é certa: independentemente de onde seus fluxos de trabalho residam hoje, uma estratégia com várias nuvens pode oferecer a flexibilidade crítica de que sua empresa precisa para se manter competitiva no mundo atual.