O consumo de energia é de importância crítica no data center. É uma despesa contínua que deve ser sempre levada em conta no custo total de propriedade e gerenciada de acordo. Também se correlaciona com o calor residual, necessitando de refrigeração e consequentemente mais energia.

Vamos analisar neste post como a nova família de processadores escaláveis Intel® Xeon® melhora a eficiência em comparação com as gerações anteriores, oferecendo maior desempenho, mas usando menos energia por núcleo.

Os novos processadores escaláveis Intel® Xeon® empregam a tecnologia Speed Shift, que cede o controle dos estados de energia ao processador, em vez de depender de controles constantes (e latentes) do sistema operacional. Em vez disso, o sistema operacional define preferências, como níveis mínimo e máximo de desempenho, e o processador lida com ajustes detalhados. Um conjunto expandido permite que o processador controle a frequência e as tensões em um nível mais granular, economizando energia e acelerando o tempo de resposta. O deslocamento de velocidade também elimina a latência associada aos comandos do estado do sistema operacional.

Entre outras otimizações, a Intel® desenvolveu controles independentes de tensão e frequência por núcleo que permitem que o processador gerencie dinamicamente os principais componentes, como a topologia de malha e o cache L3 compartilhado. A L2 maior também reduz o número de solicitações da LLC. Essas solicitações exigem uma viagem pela malha e, como todo movimento de dados consome energia, menos solicitações significam menos consumo de energia.

Como resultado, por exemplo, um Platinum 8176, com 10 núcleos extras em relação à geração anterior usa muito menos energia por núcleo do que os processadores anteriores da empresa. E esse é o “sonho de consumo” de toda gestão de Data Center.

 

Intel, o logotipo da Intel, Xeon e Xeon Inside são marcas registradas da Intel Corporation ou de suas subsidiárias nos EUA e/ou em outros países.