Nos últimos seis trimestres consecutivos, as vendas de PCs caíram consistentemente e, em 2016, pela primeira vez desde 2007, o volume de embarques caiu abaixo de 65 milhões. A IDC previu que o embarque mundial de PCs deve continuar declinando, afetado por pressões financeiras, atraso na substituição de PCs e dependência de outros dispositivos. Os fornecedores de hardware começaram a oferecer PC como serviço (PCaaS) para liberar seus estoques. Considerando que o aluguel de PCs é mais barato, mais empresas podem substituir seus PCs.

Esse PCaaS funciona em um modelo OpEx, no qual as organizações receberão PCs que combinam hardware e serviços em um pagamento mensal fixo. Incluirá também configuração, recuperação de implementação, gerenciamento de ativos e atualização de produtos.

O PCaaS é uma alternativa para as empresas considerarem, pois ajuda a priorizar os investimentos para equilibrar as demandas dos usuários em relação ao custo e à maturidade tecnológica.

No entanto, o PCaaS não é para todos, porque precisa de uma revisão inclusiva dos problemas de negócios e também uma compreensão abrangente dos requisitos e capacidades da empresa.

Os ciclos de atualização de hardware se tornem responsabilidade dos OEMs, os CIOs ficarão bloqueados com a limitada alavancagem de negociação com os fornecedores.

O ciclo de vida pré-determinado de um PC agora pode ser atualizado periodicamente – uma vantagem para a indústria, já que a vida útil do dispositivo pode continuar a se estender.